No Relatório Focus mais recente, os economistas consultados pelo Banco Central (BC) ajustaram a previsão para o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) de 0,33% para 0,32%

A inflação de junho, a ser divulgada às 9h desta quarta-feira (10), deverá mostrar sinais de desaceleração, conforme indicam as últimas projeções. No Relatório Focus mais recente, os economistas consultados pelo Banco Central (BC) ajustaram a previsão para o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) de 0,33% para 0,32%.

Em maio, o IPCA registrou um aumento de 0,46% na variação mensal e de 3,93% no acumulado dos últimos 12 meses. Durante esse período, a elevação moderada de 0,36% nos preços dos bens industriais ajudou a equilibrar as altas mais expressivas de 5,09% nos preços de serviços e de 6,09% nos preços administrados, mantendo o índice próximo à meta estabelecida.

Segundo o BTG Pactual, o IPCA deve registrar um aumento de 0,33% em junho. "Revisamos nossas estimativas de inflação de 0,34% para 0,33%, influenciados principalmente pela queda nas tarifas aéreas", afirmou o analista Bruno Balassiano.

Apesar dessa revisão para baixo, outros segmentos compensaram a redução. Embora a inflação alimentar tenha sido menor do que o esperado na prévia do IPCA, ajustes levaram o banco a elevar as projeções de junho para este segmento.

Balassiano também aumentou as previsões para bens industriais, serviços essenciais e itens regulamentados, devido às surpresas positivas no IPCA-15. "Esses ajustes compensaram em grande parte a revisão negativa impulsionada pelas tarifas aéreas", explicou.

Lucas Queiroz, estrategista de renda fixa do Itaú BBA, destaca que a incerteza quanto à trajetória da inflação de alimentos é um dos principais pontos a serem observados nesta semana.

Trajetória da Inflação

Nos últimos três meses, a inflação apresentou uma trajetória de aceleração, com o índice de maio superando as expectativas do mercado. Anteriormente, o IPCA havia desacelerado de 0,83% em fevereiro para 0,16% em março.

No decorrer de 2024, o índice não registrou deflação em nenhum mês, mantendo-se em terreno positivo.

Para os próximos meses, os economistas consultados pelo BC projetam novas altas: 0,19% em julho e 0,10% em agosto. Para o ano de 2024, a previsão é que o IPCA feche em 4,2%, enquanto o BTG espera um fechamento em 4%.

Como destaca um analista, "IPCA+ 7,1%: ‘É isso que o investidor de renda fixa deveria procurar todo dia’; veja 4 recomendações de títulos premium".

Conclusão

A expectativa de desaceleração da inflação em junho traz um alívio momentâneo, mas a trajetória dos próximos meses ainda demanda atenção. A revisão das previsões pelos economistas, ajustando para cima alguns segmentos, reforça a necessidade de acompanhamento contínuo dos indicadores econômicos para melhor compreensão dos rumos da inflação no país.

Qual a sua reação?



Comentários no Facebook